Nacional de Circuitos CPC

César Campaniço em entrevista

“O Team Novadriver, eu, o Mikko Eskelinen e o Carlos Vieira vencemos o CPC e fomos campeões em pista de forma inequívoca!”

Questão: A temporada 2013 está perto do seu epílogo, o Campeonato de Portugal de Circuitos (CPC) já terminou, qual é o balanço até agora da época?

César Campaniço: Em primeiro lugar, tenho de dizer que estou muito satisfeito com o nível de profissionalismo e qualidade técnica do Team Novadriver. Depois, só posso estar satisfeito com o terceiro título de GT, em Portugal, que alcancei em quatro anos de competição com este tipo de carros no nosso pais. Evidência clara do nosso domínio e a demonstração que estamos a fazer tudo da forma correcta. A aposta no Audi R8 LMS Ultra mostrou-se acertada e, este ano, o carro #1 da equipa venceu as quatro provas que pontuaram para o CPC, em pistas tão díspares, tecnicamente, como o Estoril, Saragoça, Portimão e o circuito citadino da Boavista.

Q: O novo figurino do CPC em 2013 foi ou não mais favorável ao Team Novadriver?

CC: Como todos sabem, as provas passaram a ser de resistência, com 120 minutos de duração, duas paragens para reabastecimento e um tempo total de 5 minutos de paragem nas boxes dividido pelas duas paragens. Fomos das poucas equipas que optaram por três pilotos em cada um dos dois Audi R8 LMS Ultra inscritos, o que nos permitiu encontrar várias estratégias consoante as provas se desenrolavam. O fato de existirem duas paragens, verteu a nosso favor pois a experiência conquistada em 2012 no Campeonato Espanhol IBER GT, que vencemos, convém lembrar, foi fundamental.

Q: Foi arriscado fazer equipa com um piloto como o Mikko Eskelinen, que apesar de campeão espanhol em 2013 com o Team Novadriver, é um “gentleman driver”?

CC: Quando iniciámos o campeonato, olhando para os restantes concorrentes, foi, realmente, um risco. Porém, o Team Novadriver é uma estrutura altamente profissional e dissecando o regulamento, encontrámos as estratégias necessárias para esse risco ser minorado.

Q: Mas porque razão o Team Novadriver e o César Campaniço não optaram por um terceiro piloto rápido e manteve-se com o piloto finlandês a seu lado?

CC: O Mikko Eskelinen é uma pessoa fantástica e depois de o ajudar a conquistar o título IBER GT o ano passado, fiquei com uma excelente impressão dele. E não tenho dificuldade nenhuma em elogia-lo publicamente, pois mostrou grande evolução nestes dois anos. Eu acho que ele tem uma “estrelinha de campeão” pois conquistou novo título, desta feita em Portugal. Além disso, a sua participação no projeto CPC do Team Novadriver, foi fundamental para a sua viabilização, pois foi graças aos seus patrocinadores – altamente impressionados com os resultados obtidos e com o profissionalismo do Team Novadriver – que foi possível juntar dois pilotos rápidos e experientes para o auxiliar. Foi graças a ele que o projeto do CPC do Team Novadriver foi por diante e foi bem sucedido, provando inequivocamente que é possível arquitetar um projeto Pro-Am (profissional-amador) ganhador em Portugal.

Q: Olhando para a temporada do CPC, o Team Novadriver não foi, em muitas ocasiões, o carro mais rápido em pista. Foi estratégia?

CC: Apesar das duas “pole-positions” em quatro provas, é verdade que nem sempre fomos o carro mais rápido. Culpa do restritivo “BoP” (balance of performance, ou equilíbrio de performances) que a FIA impõe ao Audi, mas também da estratégia arquitetada pela equipa técnica, que privilegiava a consistência e a fiabilidade à velocidade. A verdade é que o Team Novadriver esteve perfeito em termos de estratégia e na ação nas boxes. As quatro vitórias são a prova inequívoca de que encontrámos a melhor estratégia.

Q: E para o sucesso ser maior, o segundo carro terminou no segundo lugar do campeonato

CC: É verdade, o projeto do Team Novadriver para o CPC incluiu o segundo Audi R8 LMS Ultra da equipa, que colocou ao seu volante o João Ramos e promoveu o regresso à equipa do João Figueiredo. A seu lado, tiveram o finlandês Antti Buri, o Manuel Gião e o Lourenço Beirão da Veiga. Conseguiram três idas ao pódio, dois segundos lugares e, como corolário do seu bom trabalho e “vingança” sobre o azar que sofreram nos primeiros momentos, conquistaram o segundo lugar do CPC.

Q: A polémica instalou-se com a questão das inscrições no campeonato, uma “novela” que se arrasta. O que há para dizer sobre isso?

CC: A posição oficial do Team Novadriver já foi amplamente divulgada e não vale a pena remexer no assunto, pois tudo está agora entregue ao departamento jurídico da equipa e mais tarde se conhecerá o desfecho. Para mim, o Mikko Eskelinen e o Carlos Vieira são campeões nacional de velocidade tanto como eu, pois estivemos os três em pista e na pista demonstrámos a nossa superioridade, classe e categoria. Estivemos os três dentro do carro ao longo das quatro provas ganhas sem apelo nem agravo e portanto, tudo o resto não passa de questões jurídicas que serão, certamente, resolvidas.

Q: E o abandono da equipa por parte do Carlos Vieira? Quer comentar?

CC: Uma vez mais, existe uma posição oficial do Team Novadriver já conhecida de todos e por isso não creio que seja útil voltar a falar sobre o assunto. O Carlos Vieira tomou uma decisão baseada na análise que fez a uma situação que ainda não está esclarecida e mostrou desconforto com as regras internas da equipa. Decidiu abandonar o Team Novadriver antes do final da temporada, fê-lo, certamente, de consciência tranquila com as suas razões e da minha parte e da parte do Team Novadriver, desejamos as maiores felicidades e sucessos para o futuro da sua carreira.

Q: Para terminar a época, ficam a faltar as provas de encerramento do FIA GT Series e do Campeonato Espanhol IBER GT. Quais são os objetivos do César Campaniço e do Team Novadriver para essas duas provas?

 

CC: Conquistado o título do CPC, o Team Novadriver focou as suas atenções no FIA GT Series e com o auxílio do Michael Ammermuller (piloto cedido pela Audi Sport, registe-se), rubriquei um excelente resultado na penúltima jornada dupla da competição que me permite ainda lutar por um lugar no pódio da categoria Pro-Am. Sendo os responsáveis pela presença ibérica do Audi R8 LMS Ultra, evidentemente que estaremos empenhados em tentar repetir o título IBERGT de 2012. Não será fácil, mas acreditamos que podemos lutar pela vitória em ambas as provas e lutar pelos nossos objetivos.

 

Fonte : Team Novadriver

 

Informação e divulgação gratuita de eventos e actividades dentro do espírito TTVerdePT, conforme as nossas condições gerais de divulgação.  Rejeitamos a responsabilidade pelas informações disponibilizadas por terceiros. Este site não se subordina aos novos acordos ortográficos, aos quais é indiferente, publicando os textos conforme as preferências dos seus autores.